Author Archives: BE/CRE A.V. Escolas Búzio

About BE/CRE A.V. Escolas Búzio

BE/CRE do Agrupamento Vertical de Escolas do Búzio, Vale de Cambra, Portugal

CONCURSO NACIONAL DE LEITURA

Olá, amigos!!

Com o novo ano escolar vem mais uma edição do Concurso Nacional de Leitura!!!

Aqui ficam os títulos dos livros a concurso e o respetivo  o regulamento para a 1ª fase!

Consultem os vossos professores de Língua Portuguesa/Português!

Regulamento da Fase de Escola

CNL_ Regulamento_11_12

Regulamento Nacional:

http://www.planonacionaldeleitura.gov.pt/Concursos/upload/ficheiros/cnlregula2012.pdf

Deixe um comentário

Filed under Notícias

Mês Internacional das Bibliotecas Escolares

Deixe um comentário

Filed under Notícias

Apresentar a BECRE aos novos

Hoje iniciamos mais uma série de encontros para  a apresentação da BECRE aos alunos do nosso agrupamento!!!

Já não era sem tempo!!!! Dirão alguns de vós…

E têm razão…

A partir de amanhã à tarde, estaremos à vossa espera!!!

Do que for acontecendo, daremos conta neste espaço!!!

Deixe um comentário

Filed under Notícias

Mês Internacional das Bibliotecas Escolares

Mais uma semana de festa dedicada à nossa biblioteca!!

Desta vez a provocação é para a segurança dos livros!

continuamos a aguardar os vossos comentários…

divulgação RBE

Deixe um comentário

Filed under Notícias

Tomas Tranströmer – Prémio Nobel da Literatura 2011

Tomas Tranströmer – Nobel da Literatura 2011

O Prémio Nobel da Literatura 2011 foi atribuído ao poeta sueco Tomas Tranströmer, anunciou hoje a Academia Sueca, em Estocolmo.

O poeta sueco mais traduzido em todo o mundo (em 30 línguas), Tranströmer, de 80 anos, começou a publicar poesia aos 23 anos e o seu primeiro livro intitulava-se “17 dikter” (“17 Poemas”).

Em Portugal, Tomas Tranströmer está representado na coletânea “21 poetas suecos”, editada pela Vega, em 1981.

Publicou cerca de 15 obras numa longa carreira dedicada à escrita e venceu numerosos

prémios literários, como o Prémio Literário do Conselho Nórdico, em 1990.

A maior parte da sua obra está escrita em verso livre, apesar de ter feito também experiências com linguagem métrica.

Exerceu a profissão de psicólogo até 1990, ano em que sofreu um acidente vascular cerebral que o deixou parcialmente afásico e hemiplégico.

Vive atualmente numa ilha e continuou a escrever, tendo desde então publicado três obras.

O prémio tem o valor monetário de dez milhões de coroas suecas, cerca de 1,1 milhões de euros.

A cerimónia de entrega dos Prémios Nobel 2011 realiza-se no próximo dia 10 de dezembro, na capital sueca.

Na edição anterior, em 2010, o Nobel da Literatura distinguiu o escritor peruano Mário Vargas Llosa, autor de “Conversa n’A Catedral” e de “Guerra do Fim do Mundo”.

fonte: ionline

                              Alguns dos seus textos:

Tomas Tranströmer - Nobel da Literatura 2011

HISTÓRIAS DE MARINHEIROS

Há dias de inverno sem neve em que o mar é parente
de zonas montanhosas, encolhido sob plumagem cinza,
azul só por um minuto, longas horas com ondas quais pálidos
linces, buscando em vão sustento nas pedras de à beira-mar.

Em dias como estes saem do mar restos de naufrágios em busca
de seus proprietários, sentados no bulício da cidade, e afogadas
tripulações vêm a terra, más ténues que fumo de cachimbo.

(No Norte andam os verdadeiros linces, com garras afiadas
e olhos sonhadores. No Norte, onde o dia
vive numa mina, de dia e de noite.

Ali, onde o único sobrevivente pode estar
junto ao forno da Aurora Boreal escutando
a música dos mortos de frio).

(1954)

§

A ÁRVORE E A NUVEM

Uma árvore anda de aqui para ali sob a chuva,
com pressa, ante nós, derramando-se na cinza.
Leva um recado. Da chuva arranca vida
como um melro ante um jardim de fruta.

Quando a chuva cessa, detém-se a árvore.
Vislumbramo-la direita, quieta em noites claras,
à espera, como nós, do instante
em que flocos de neve floresçam no espaço.

(1962)

§

DESDE A MONTANHA

Estou na montanha e vejo a enseada.
Os barcos descansam sobre a superfície do verão.
«Somos sonâmbulos. Luas vagabundas.»
Isso dizem as velas brancas.

«Deslizamos por uma casa adormecida.
Abrimos as portas lentamente.
Assomamo-nos à liberdade.»
Isso dizem as velas brancas.

Um dia vi navegar os desejos do mundo.
Todos, no mesmo rumo – uma só frota.
«Agora estamos dispersos. Séquito de ninguém.»
Isso dizem as velas brancas.

(1962)

§

PÁSSAROS MATINAIS

Desperto o automóvel
que tem o pára-brisas coberto de pólen.
Coloco os óculos de sol.
O canto dos pássaros escurece.

Enquanto isso outro homem compra um diário
na estação de comboio
junto a um grande vagão de carga
completamente vermelho de ferrugem
que cintila ao sol.

Não há vazios por aqui.

Cruza o calor da primavera um corredor frio
por onde alguém entra depressa
e conta que como foi caluniado
até na Direcção.

Por uma parte de trás da paisagem
chega a gralha
negra e branca. Pássaro agoirento.
E o melro que se move em todas as direcções
até que tudo seja um desenho a carvão,
salvo a roupa branca na corda de estender:
um coro da Palestina:

Não há vazios por aqui.

É fantástico sentir como cresce o meu poema
enquanto me vou encolhendo
Cresce, ocupa o meu lugar.

Desloca-me.
Expulsa-me do ninho.
O poema está pronto.

(1966)

Deixe um comentário

Filed under Notícias

MÊS INTERNACIONAL DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES

Caros amigos,

Aqui fica mais uma imagem de reflexão neste mês de FESTA!

Lê em todo o lado

Autora: Maria Pena - divulgação RBE

Deixe um comentário

Filed under Notícias

MÊS INTERNACIONAL DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES

A FESTA CONTINUA!!

«LER É BOM, LER É DO MELHOR!»

MÊS INTERNACIONAL DAS BIBLIOTECAS ESCOLARES.

Deixe um comentário

Filed under Notícias